Câncer de cabeça e pescoço

Apesar de todos os avanços da ciência, o câncer ainda assusta e causa medo a cada novo diagnóstico. Não é para menos, a mortalidade ainda é alta em alguns tipos da doença, tendo isso em mente, o melhor caminho é, sem dúvida, o da prevenção. Para ajudar não só na prevenção da doença, mas na busca de uma melhor qualidade de vida, a Oncominas lista os principais fatores de risco, como fazer para se proteger e ter uma vida mais saudável

Tratamento: Câncer de cabeça e pescoço

As chances de cura são maiores se a doença for detectada no início. Com o autoexame, por exemplo, é possível identificar se existem feridas na boca que não cicatrizam há mais de duas semanas ou inchaços no pescoço. Além das terapias tradicionais, nos últimos anos algumas drogas promissoras têm conseguido melhorar o prognóstico dos pacientes, com uma ação mais eficiente e menos agressiva ao organismo, como as imunoterapias e terapias-alvo. A conscientização sobre essas doenças também reforça o trabalho de entidades como

Prevenção: câncer de cabeça e pescoço

Prevenção: – Alimente-se de forma saudável; – Não fume nem utilize nargilé ou incenso; – Evite a ingestão de álcool; – Não faça sexo oral sem preservativos; – Faça visitas periódicas ao dentista; – Realize higiene bucal + Próteses bem ajustadas; – Não morda lábios ou bochechas.

O diagnóstico de tumores de cabeça e pescoço

Os tumores de cabeça e pescoço podem ser assintomáticos no princípio da doença. O diagnóstico das lesões iniciais é fundamental para garantir que os índices de cura se aproximem de 100%. Com o seu desenvolvimento, alguns sinais e sintomas podem aparecer, como manchas brancas na boca, dor local, lesões com sangramento ou cicatrização demorada, nódulos no pescoço, mudança na voz e rouquidão, e dificuldade para engolir. “Por estas razões, nosso objetivo é alertar sobre os fatores de risco, muito presentes