CÂNCER DE COLORRETAL

O câncer colorretal consiste nos tumores que acometem os cólons (ascendente/direito, transverso e descendente/esquerdo) e o reto. Inicia-se a partir de pólipos no intestino que,se não forem removidos, evoluem para tumores.

Apresenta pouca relação hereditária, ficando nestes casos restritos somente a síndromes polipoides familiares e outras síndrome genéticas mais raras como a Sd. Lynch.

É o terceiro tipo de câncer mais frequente entre os homens e o segundo entre as mulheres. Estimam-se 36 mil novos casos no Brasil em 2018. Sua principal causa/fatores de risco são os hábitos de vida: alimentação gordurosa e rica em conservantes, obesidade, sedentarismo, uso de bebidas alcoólicas. Uma dieta rica em frutas e verduras, exercícios físicos e manutenção de um peso corporal saudável são fatores de proteção.

O diagnóstico inicial é feito através da colonoscopia, que deve ser realizada a partir dos 50 anos para quem não tem casos na família e repetida a cada 5 anos se o exame for normal. Para quem teve casos na família o ideal é realizar a colonoscopia 10 anos a menos da idade de quem teve o diagnóstico, por exemplo: pai com diagnóstico aos 55 anos, filho deve fazer o exame aos 45 anos. Um outro exame que pode auxiliar é a pesquisa de sangue oculto nas fezes. Entretanto a presença de qualquer sinal ou sintoma também é indicação para realização dos exames.

O tratamento consiste em cirurgia e quimioterapia. Para os casos de câncer de reto também pode ser empregado o uso da radioterapia. Apresenta altas taxas de cura desde que a doença seja diagnosticada em estágios precoces.