Monthly Archives: setembro 2019

Apesar de todos os avanços da ciência, o câncer ainda assusta e causa medo a cada novo diagnóstico. Não é para menos, a mortalidade ainda é alta em alguns tipos da doença, tendo isso em mente, o melhor caminho é, sem dúvida, o da prevenção. Para ajudar não só na prevenção da doença, mas na busca de uma melhor qualidade de vida, a Oncominas lista os principais fatores de risco, como fazer para se proteger e ter uma vida mais saudável

E depois do tratamento do câncer infantojuventil? O que acontece?

Com o aumento da curabilidade da doença, muitos pacientes com câncer na infância são sobreviventes a longo prazo, grande parte deles são hoje adultos. É importante que continuem o acompanhamento na clínica de seguimento por um tempo maior, para reconhecimento precoce e cuidado apropriado das complicações tardias que possam surgir.

Como é o tratamento do câncer infantojuvenil?

Pela sua complexidade, o tratamento deve ser feito em centro especializado. Compreende três modalidades principais (quimioterapia, cirurgia e radioterapia). O tratamento é planejado de acordo com o diagnóstico do tumor, as suas características biológicas e a presença ou não de doença à distância do tumor. Tão importante quanto o tratamento do câncer em si é a atenção dada aos aspectos sociais da doença, uma vez que a criança e o adolescente doentes devem receber atenção integral, no seu contexto familiar. A

Quais sinais podem mostrar que a criança está com câncer?

Existem diferentes sinais pelos quais podem supor que uma criança sofra de algum câncer, portanto fique atento se a criança apresentar: • Dores de cabeça pela manhã e vômito; • Caroços no pescoço, nas axilas e na virilha, ínguas que não resolvem; • Dores nas pernas que não passam e atrapalham as atividades das crianças; • Manchas arroxeadas na pele, como hematomas ou pintinhas vermelhas; • Aumento de tamanho de barriga; • Brilho branco em um ou nos dois olhos quando a criança sai em

Por que câncer infantojuvenil muitas vezes é diagnosticado em estágio avançado?

A desinformação ainda é o desafio a ser vencido. A desinformação dos pais, medo do diagnóstico e/ou desinformação dos médicos mesmo, já que os sintomas da doença são similares a de doenças comuns na infância confundem e retarda o diagnóstico. Os pais devem estar alertas ao fato de que a criança não inventa sintomas. Ao sinal de alguma anormalidade, devem levar seus filhos ao pediatra para avaliação.